Autoras: Evelise Maria Labatut Portilho e  Maria Silvia Todeschi de Sousa

Se os erros fazem parte de nossa aprendizagem e se precisamos, muitas vezes, aprender a errar e errar para aprender, será que se deve falar em aprendizagem esperando do outro os mesmos acertos que os nossos? E será que o caminho que usamos é o caminho certo? Ou ainda, existe um caminho único?

Para ler este artigo na íntegra acesse:

Tempo de aprender: o explícito e o tácito

 

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *