30 abr 2013
Abril 30, 2013

5º Encontro – 10.04

0 Comment

Nosso estudo continua, confira as principais considerações feita pelo grupo.

Continuamos o estudo do Capítulo 2 – Máquinas Pensantes

Linguagem do pensamento na qual se expressa nosso conhecimento conceitual. ”Quando você fecha um livro, esquece quase tudo com respeito ao fraseado, aos estilos de caracteres das sentenças e ao local onde elas foram dispostas na página. O que você absorve é o conteúdo ou ideia geral. (Em testes de memória, as pessoas “reconhecem” sem hesitar sentenças que nunca viram se forem paráfrases de sentenças já vistas” p.101

Aquilo que a gente já conhece é mais fácil de entender. Facilita porque fazemos associações. O pensamento é governado por duas leis: uma é a da contiguidade: idéias que são frequentemente  vivenciadas juntas acabam por associar-se na mente. A outra é a da semelhança: quando duas idéias são semelhantes, tudo o que for associado a primeira idéia é associado automaticamente à segunda

Significado do Dicionário: Contigüidade: estado daquilo que é contínuo; proximidade imediata; contacto; vizinhança; adjacência.

Segundo  o autor, o plano de aprendizado, no qual um professor apresenta à rede um imput e o output correto e a rede esforça-se por reproduzir esse par no futuro, é um bom modelo da lei de contigüidade.

As redes neurais sozinhas não conseguem dar conta da tarefa. É a estruturação de redes em programas para manipular símbolos que explica boa parte da inteligência humana. p.124

O estímulo acontece de fora para dentro. E o estímulo que vem de fora interfere.

CAOS – Uma ordem que não conseguimos entender.

Caótico-Caos( fora de ordem)

Caótico –Ótico  (por em ordem)

Na complexidade existe uma entropia, que analisado do ponto de vista metafórico, tem uma organização dentro da desordem.

Linguagem é toda uma estrutura que nos garante.

Conectoplasma –  Conjunto de ligações entre os neurônios. Inscrições e regras que são implementadas em algo semelhante às redes neurais, que reagem a padrões familiares e os associam a outros padrões.

Nossa obsessão com a individualidade não é uma singularidade inexplicável, tendo evoluído provavelmente porque cada ser humano que encontramos, independentemente de qualquer propriedade que possamos observar, com toda certeza abriga uma coleção irreprodutível, devido a uma história embriológica e biográfica única. p 129.

  • Sugestão de Leitura: “A Educação como conhecimento ético”.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *